Chico Ferreira: PGR vai abrir novo inquérito para investigar Aécio

Pesquisar este blog


.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

PGR vai abrir novo inquérito para investigar Aécio



O Estado de S.Paulo
Após a homologação da superdelação da Odebrecht – 77 executivos, ex-executivos e funcionários da empreiteira -, a Procuradoria-Geral da República vai abrir novo inquérito para investigar o senador Aécio Neves (PSDB).
A informação foi revelada com exclusividade pelo site Buzzfeed.
O tucano vai ser investigado por suspeita de recebimento de valores supostamente desviados das obras da Cidade Administrativa na gestão de Aécio no governo de Minas (2003/2010). O empreendimento foi orçado em R$ 500 milhões, mas teria alcançado a cifra aproximada de R$ 2 bilhões.
Segundo informa o Buzzfeed, a Procuradoria-Geral da República vai pedir ao Supremo Tribunal Federal autorização para abrir o inquérito. Na condição de senador, Aécio tem foro privilegiado perante a Corte máxima.
O tucano teria recebido dinheiro de empreiteiras contratadas para a construção da Cidade Administrativa, entre elas a Odebrecht, OAS e Andrade Gutierrez, todas citadas no esquema de cartelização e propinas instalado na Petrobrás entre 2004 a 2014 e desmascarado pela Operação Lava Jato.
Procurada, a assessoria do senador informou que não ia se manifestar e encaminhou uma nota do PSDB de Minas.
COM A PALAVRA, O PSDB-MG:
“Trata-se de assunto requentado. O PSDB MG desconhece a suposta decisão da PGR e rechaça as também supostas acusações em relação ao senador Aécio Neves. O partido informa que os valores citados estão equivocados. Nunca houve um orçamento no valor de R$ 500 milhões. Tal cifra surgiu apenas como estimativa, sem estar amparada em projeto ou orçamento, quando da primeira ideia de construção de outro projeto em outro local.
Informa também que o valor licitado da obra foi de R$ 949.371.880,50. O PSDB MG contesta  insinuação de irregularidade e informa que  o edital da licitação foi previamente apresentado ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas e  todos os procedimentos foram acompanhados e auditados por empresa externa ao Estado contratada via licitação.
Informamos ainda que o senhor Oswaldo Da Costa nunca teve atuação informal nas campanhas do PSDB com as quais coloborou, tendo sempre atuação formal e conhecida na arrecadação de recursos nas campanhas do PSDB.”