Chico Ferreira

Pesquisar este blog

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Pesquisa: 71% aposta na condenação de Lula


Maioria acha que Lula vai cumprir pena pelo caso triplex

Do Blog Diário do Poder

Levantamento nacional realizado pela Paraná Pesquisas revelou que 71,4% dos brasileiros acreditam que o juiz federal Sérgio Moro vai condenar o ex-presidente Lula no caso do tríplex. Apenas 24,4% esperam absolvição do petista.
Idagados sobre se há algum tipo de perseguição do magistrado contra o ex-presidente, tese sempre repetida pela defesa do petista, 61,1% foram categóricos ao afirmar que Moro não persegue Lula. Para 35,9% dos entrevistados, há algum tipo de perseguição e 3% não souberam opinar.
O prazo para as alegações finais, tanto da defesa quanto da acusação, acabou ontem (20) e todos os documentos foram entregues. Com base em outras ações julgadas por Moro, o prazo para decisão pode ser até de três dias, dependendo de condições como se há alguém preso.
O Paraná Pesquisas ouviu 3.962 brasileiros entre os dias 12 e 15 de junho por meio de questionário online. A margem de erro é de 1,5% para mais ou menos e o perfil da amostra tem grau de confiança de 95%.

Temer quer impedir que JBS deixe o Brasil no prejuízo



Do Blog Diário do Poder 


Sem poder contar com o Ministério Público Federal, o Planalto decidiu utilizar os instrumentos de que dispõe para não deixar barato os crimes confessos dos donos da JBS. A ordem é impedir que o grupo “vaze” do Brasil, como se suspeita, ou que dê calote em bancos públicos como BNDES. O governo monitora o que a Advocacia Geral da União (AGU) definiu como “desfazimento de bens” da turma de Joesley Batista. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
A ordem de Michel Temer, antes de viajar à Rússia, foi acionar os órgãos de controle do governo para não deixar Joesley & cia impunes.

A J&F/JBS tenta levantar R$6 bilhões com a venda de ativos. Oferece ao mercado 19% da Vigor Alimentos e duas subsidiárias estrangeiras.
As subsidiárias da J&F/JBS à venda são a Moy Park, sediada da Irlanda do Norte, e a americana Five Rivers Cattle Feeding.
A AGU já pediu ao TCU o bloqueio de bens dos donos da J&F/JBS no valor de R$850 milhões, para ressarcir prejuízos do BNDES.

Joaquim Barbosa: "Estou mais para não ser"


Sobre sair candidato a presidência

Folha de S. Paulo - Mônica Bergamo


Joaquim Barbosa ainda não foi convencido a sair candidato à Presidência da República. "A verdade é que eu resisto", diz o ex-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal). "Estou mais para não ser." 
Barbosa já foi procurado por lideranças de partidos como Rede, PSB e até o PT. Nesta semana, se reuniu com artistas como Marisa Monte, Lázaro Ramos, Fernanda Torres, Fernanda Lima, Caetano Veloso e Thiago Lacerda, que o convidaram para um encontro e tentaram convencê-lo a mudar de ideia. 
Joaquim afirma que "o maior obstáculo à ideia sou eu mesmo". Ele diz que preza "muito a liberdade". E que, desde que saiu do STF, há três anos, "gozo dessa liberdade na sua plenitude, com independência total para fazer e falar o que bem entendo. Isso não tem preço". 
Entre as ponderações que Barbosa fez aos artistas está o fato de que não tem "dinheiro nem ninguém atrás de mim com recursos" para fazer frente a uma campanha. Em um determinado momento, o ex-ministro questionou: "Será que o Brasil está preparado para ter um presidente negro?". 
Duas estrelas da Rede, partido de Marina Silva, foram à reunião em que se discutiu eventual candidatura de Barbosa: o senador Randolfe Rodrigues, do Amapá, e o deputado Alessandro Molon, do Rio. 

Articulação de petistas e PSoL irrita Lula



Folha de S. Paulo – Catia Seabra

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou a aliados irritação com a participação de dirigentes petistas numa reunião com integrantes do PSOL e de movimentos de esquerdapara discussão de um programa de governo para o país.
Segundo a Folha apurou, Lula soube apenas na terça-feira, e pela imprensa, que um grupo de petistas, dirigentes do PSOL e representantes de movimentos de esquerda tinham se reunido no domingo (18) para traçar uma estratégia para a oposição.
Ainda segundo petistas, Lula ficou particularmente contrariado com o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ). Na segunda-feira, Lindbergh participou de uma reunião com Lula na sede do partido em São Paulo, mas não fez qualquer menção ao encontro da véspera.
Realizada a convite do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), de Guilherme Boulos, e da Frente Povo Sem Medo, a reunião contou com a participação do ex-ministro da Justiça Tarso Genro e de Vicente Trevas, assessor do Planalto no governo Lula.
O secretário de Formação do PT, Carlos Henrique Árabe, e o deputado estadual João Paulo Rillo foram à reunião. O deputado federal Ivan Valente (SP) e o deputado estadual Marcelo Freixo (RJ) eram representantes do PSOL à mesa.
Para integrantes da cúpula petista aí está o embrião de um novo partido. Dirigentes petistas chegaram a chamar seus colegas que foram ao encontro de desonestos.
Ministro dos governos Lula e Dilma, Gilberto Carvalho minimizou. "Quanto mais conversas, melhor. Agora, a história de criar um partido a partir desta conversa, sinceramente, não acredito", disse.
A movimentação de Boulos também surpreendeu petistas. Eles chamam a reunião de inoportuna por ocorrer num momento em que se espera uma decisão do juiz Sergio Moro sobre a ação penal do caso tríplex, em que Lula é acusado de receber propina da empreiteira OAS por meio da posse de um apartamento em Guarujá.
Segundo participantes da reunião de domingo, está em discussão um "programa mais à esquerda", que vá "além" dos governos petistas. A reforma do sistema tributário, uma auditoria do sistema da dívida e o controle da mídia são propostas em debate.
Para petistas, a discussão de um programa de governo à revelia de Lula colide com o discurso de que não existe um plano B para a esquerda.
A ideia de elaboração de um plano de governo em conjunto com movimentos de esquerda já foi rechaçada por Lula.
No dia 2 de junho, o ex-presidente contrariou a esquerda ao pregar pragmatismo durante discurso de abertura do congresso do partido em Brasília. Lula afirmou que é necessário saber se as promessas são "exequíveis". 

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Prefeitura de Sobradinho abre vagas para cursos do Pronatec Voluntário




A Secretaria de Turismo de Sobradinho, em parceria com a  SETUR do Governo do Estado, está promovendo cursos na modalidade PRONATEC VOLUNTÁRIO, que consiste na oferta de ensino à distância (EAD). O objetivo do programa é  fomentar a capacitação profissional e facilitar o acesso ao conhecimento. 
Os cursos serão ministrados por instituições privadas e abordarão os  seguintes eixos tecnológicos: Desenvolvimento Educacional e Social, Gestão de Negócios, Infraestrutura e Recursos Naturais.
As inscrições já estão abertas, na Sala do Empreendedor, das 8 às 13 horas, e vão até o dia primeiro de julho.
Para se inscrever é necessário apresentar os seguintes documentos: RG, CPF, Comprovante de residência e de escolaridade.
Para o município de Sobradinho foram disponibilizadas vagas para os cursos de  Agente de Limpeza Urbana, Assistente Administrativo, Assistente de Recursos Humanos, Vendedor,  Inglês Básico, Espanhol, Recepcionista e Reciclador.
Por se tratar de um curso à distância, os interessados deverão possuir computador ou notebook com internet banda larga com recursos multimídia (som) e um endereço de e-mail válido. A idade mínima é de 16 anos para todos os cursos.
Os cursos apresentam carga horária mínima de 160 horas, com data prevista de início para 17 de julho.

Confira os cursos que serão ofertados e as habilidades adquiridas:  

- Agente de Limpeza Urbana, para execução de serviços operacionais de coleta de resíduos sólidos domiciliares, seletivos, serviços de saúde e serviços especiais para transporte e destinação final. Carga horária: 170 horas Escolaridade mínima: Ensino Fundamental I (1º a 5º) – Completo. Idade mínima 16 anos.
- Assistente Administrativo, para  execução de processos administrativos e atividades de apoio em recursos humanos, finanças, produção, logística e vendas. Atendimento a fornecedores e clientes. Fornecimento  e recebimento de informações sobre produtos e serviços. Tratamento de documentos variados. Carga horária: 160 horas Escolaridade mínima: Ensino Fundamental II (6º a 9º) – Completo. Idade mínima: 16 anos.
- Assistente de Recursos Humanos, para execução de rotinas de processos administrativos do setor de Recursos Humanos de uma empresa. Realização de atividades de apoio ao planejamento, execução, avaliação e controle dos processos de recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento, avaliação de desenvolvimento, avaliação de desempenho, progressão funcional, cargos, salários e benefícios, jornada de trabalho, férias e rescisão de contrato. Prepara, organiza, solicita e emite documentos e processos de acordo com a legislação trabalhista. Organiza informações cadastrais dos funcionários. Carga horária: 160 horas Escolaridade mínima: Ensino Fundamental II (6º a 9º) – Completo. Idade mínima: 16 anos.
- Vendedor,  para apresentação de produtos e serviços da empresa. Negociação e argumentação de vendas. Preparação de mercadorias para venda. Prestação de serviços ao cliente. Demonstração de produtos. Execução de venda e a pós-venda. Exposição de mercadorias no ponto de venda. Registro de entrada e  saída de mercadorias. Carga horária: 160 horas Escolaridade mínima: Ensino Fundamental II (6º a 9º) – Completo. Idade mínima: 16 anos
Inglês Básico. Conteúdo: Compreensão e uso de  expressões familiares e cotidianas e enunciados simples. Apresentação. Capacidade de fazer perguntas e dá respostas sobre aspectos pessoais (o local onde vive, as pessoas que conhece e as coisas que tem). Comunicação na língua inglesa de modo simples, se o interlocutor falar lenta e distintamente e se mostrar cooperante. Carga horária: 160 horas Escolaridade mínima: Ensino Fundamental I (1º a 5º) – Completo. Idade mínima: 16 anos
Espanhol Básico. Compreensão e uso de expressões familiares e cotidianas e enunciados simples. Apresentação. Capacidade de fazer perguntas e dá respostas sobre aspectos pessoais (o local onde vive, as pessoas que conhece e as coisas que tem). Comunicação com a língua de modo simples, se o interlocutor falar lenta e distintamente e se mostrar cooperante. Carga horária: 160 horas Escolaridade mínima: Ensino Fundamental I (1º a 5º) – Completo. Idade mínima: 16 anos
Recepcionista.  Recepcionar e atender diferentes públicos, por meio de diversos canais de comunicação (telefone, virtual e presencial). Promover a satisfação, a qualidade e a excelência no atendimento. Prestar informações e estabelecer fluxos de atendimento, com base nos processos, produtos e serviços da organização, de modo a atender com rapidez e eficiência às necessidades do cliente. Carga horária: 160 horas Escolaridade mínima: Ensino Fundamental II (6º a 9º) – Incompleto. Idade mínima: 16 anos
Reciclador - Atuar no beneficiamento de materiais reaproveitados como matéria-prima para novos produtos, na indústria de uma determinada cadeia de produto. Participação da seleção, tratamento e na transformação (reciclagem) de materiais diversos materiais como vidro, plástico, papel, metal e outros. Carga horária: 200 horas Escolaridade mínima: Ensino Fundamental I (1º a 5º) – Completo. Idade mínima: 16 anos.

Ascom PMS

Definição de calendário da reforma da Previdência fica para semana que vem


Definição de calendário da reforma da Previdência fica para semana que vem
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
O deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), relator da reforma da Previdência na Câmara, informou por meio de sua assessoria de imprensa que a definição do calendário de votação da reforma da Previdência deve ocorrer apenas na próxima semana. A expectativa do relator é levar o texto para votação em agosto, mas a data ainda depende da articulação do Planalto com o presidente da Câmara. A eventual denúncia a ser apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer, que precisa ser apreciada pelos deputados, deve interromper a tramitação da reforma. "Eu acho que é difícil votar a reforma antes da denúncia. Então votaremos a denúncia e em seguida daremos sequência à reforma", disse o relator na segunda-feira. Arthur Maia tentou marcar uma reunião na terça com o presidente da República em exercício, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para definir um calendário de votação da proposta na Câmara, mas não conseguiu. Por isso, a definição deve ocorrer somente a partir da semana que vem, já com o presidente Michel Temer (PMDB) de volta ao Brasil. Na segunda-feira, o relator havia anunciado em São Paulo uma reunião com Maia e com o ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy (PSDB),ainda esta semana, para discutir o avanço da proposta na Câmara. O texto já foi aprovado em comissão especial e ainda deve passar pelo plenário com o apoio de pelo menos 308 deputados para que possa seguir ao Senado. No entanto, o encontro não foi possível pela viagem de Imbassahy ao exterior acompanhando o presidente Temer e pela agenda de Maia no Planalto. Nesta quarta-feira (21) Arthur Maia viaja a Bahia, seu reduto eleitoral, e deve retornar a Brasília apenas na próxima terça (27). Os parlamentares costumam viajar para seus Estados nesse período em virtude dos festivos juninos. 

Colaboração de delatores da JBS é válida, defende ministro-relator Edson Fachin



Colaboração de delatores da JBS é válida, defende ministro-relator Edson Fachin
Foto: Agência Brasil
O ministro-relator da Operação Lava Jato no STF, Edson Fachin, defendeu que a homologação da delação premiada é atribuição do relator e, por conta disso, sustentou que a colaboração da JBS é válida, negando provimento ao pedido que questionava a legalidade da delação premiada realizada pelos empresários. O voto de Fachin foi dado após a sustentação dos advogados de defesa e do procurador-geral da República, Rodrigo Janot (veja aqui). A posição foi externada no julgamento do plenário da Corte para que parte das investigações das delações da JBS seja remetida para outro ministro por sorteio. Defendendo seu ponto de vista, Fachin recordou que a presidente da Corte, ministra Carmem Lúcia e o falecido ministro Teori Zavascki homologaram 79 acordos de delação premiada da Odebrecht de forma monocrática. O relator destacou ainda que o papel de quem irá analisar a delação é verificar a legalidade e regularidade do depoimento prestado. “A decisão final de mérito para avaliar o cumprimento dos termos e a eficácia do acordo é do colegiado da Corte. As delações são meio de obtenção de prova. Os dados colhidos não são necessariamente provas. As informações devem ser atestadas, tendo em vista que o colaborador é, antes de tudo, um ‘delituoso confesso’”, defendeu. Para Fachin, a veracidade é atestada no julgamento, com a sentença e que a homologação realizada pelo STF versa apenas sobre a validade jurídica dela. Com relação à mudança da relatoria da delação da JBS, pedido do governador do Mato Grosso do Sul, o ministro Fachin negou provimento ao agravo regimental. Outros 10 ministros irão proferir seus votos na tarde desta quarta-feira (21).

Morre ex-prefeito de Belém de São Francisco



Com informações do Blog de Josélia Maria

Morreu, na manhã de hoje, vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC), o ex-prefeito de Belém de São Francisco, no Sertão, o médico Geraldo Lustosa de Carvalho. O velório está acontecendo na Casa Baptista, no bairro de Santo Amaro, Zona Norte do Recife. O sepultamento será às 16h, no Cemitério do Santo Amaro. Doutor Geraldo, como era conhecido, estava internado há três meses.
Geraldo Lustosa era médico cirurgião e conhecido por realizar procedimentos para pessoas necessitadas nas décadas de 1960 e 1970 que só eram feitos no Recife. Entrou para a política e elegeu-se prefeito em 1976 e ficou no cargo até 1982.
Entre suas obras de destaque estão a posse das Ilhas do São Francisco para os ilhéus, o sistema de rádio comunicação para as fazendas e ilhas, a Vila do Ipsep, a construção do fórum municipal e o estádio de esportes, além de 20 escolas municipais. Em 1989, com outros parceiros, doutor Geraldo Lustosa decidiu levar para Belém de São Francisco uma rádio. Foi quando nasceu a rádio educadora.
O médico era conhecido por ser apaixonado por Belém de São Francisco, mas precisou morar no Recife para acompanhar a educação dos filhos. Tinha planos de voltar para a cidade, mas foi acometido pelo AVC e precisou permanecer na capital.
Era um homem de muitos amigos, extrovertido e quando ia à Belém procurava notícias te todas e todos. Um de seus assuntos preferidos era a política, desejava ver a sua terra crescer e se desenvolver. Doutor Geraldo Lustosa deixa esposa, a professora Maria Aldy Soares Lustosa, e quatro filhos, o advogado e professor universitário Luís Geraldo Soares Lustosa, o bacharel em Direito, empresário e ex-vereador Deoclécio Soares Lustosa, o médico Eugênio Soares Lustosa e a odontóloga Maria Orminda Soares Lustosa. Também deixou nove netos.

Henrique Meirelles é ouvido como testemunha de Lula


Do G1
Em depoimento ao juiz Sérgio Moro – responsável pelas ações da Lava Jato na primeira instância – o ministro da Fazenda Henrique Meirelles disse que a independência do Banco Central era uma condição para que ele assumisse a presidência do órgão, e que isto foi respeitado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Meirelles falou como testemunha de defesa de Lula, no processo em que o ex-presidente é acusado de receber como propina um terreno onde seria construída nova sede do Instituto Lula e apartamento no prédio onde mora.
"Quando nós conversamos da primeira vez e ele me convidou para ser presidente do banco, eu coloquei isso de ser a independência do banco como uma das condições. Durante o curso da administração, isso foi respeitado na medida em que todas as decisões que foram tomadas pelo Banco Central naquela oportunidade prevaleceram e na medida em que ele me manteve no cargo. Então, isso significa, na prática, o respeito à instituição", disse.
Outras testemunhas
O General Marco Edson Gonçalves Dias, ex-chefe de segurança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, também foi ouvido na manhã desta quarta. Atualmente aposentado, Dias atuou na segurança da Presidência da República durante os dois mandatos de Lula e tinha contato diário com o ex-presidente.
À defesa de Lula, Dias negou ter presenciado qualquer fato ilícito cometido pelo ex-presidente.
Moro perguntou sobre o apartamento vizinho ao de Lula, no prédio em que ele mora em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. Dias contou que foi responsável por um diagnóstico da segurança da residência, assim que assumiu a função e que o apartamento estava vazio à época.
Após a avaliação, o imóvel foi locado pela Secretaria de Administração para abrigar a equipe de segurança.
Ainda de acordo com a testemunha, como havia muita movimentação de seguranças no prédio, posteriormente, uma casa foi alugada perto do prédio para abrigar as equipes. O apartamento passou, então, a ser usado para receber visitas de Lula.
Dias informou que não sabe o que aconteceu com o apartamento após o fim do mandato.
A defesa de Lula desistiu de três testemunhas que estavam presentes na audiência: José Orcírio Miranda dos Santos, que é o Deputado Federal Zeca do PT, e o brigadeiro Rui Chagas Mesquita.
O processo
Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), a Construtora Norberto Odebrecht pagou propina a Lula via aquisição do imóvel onde seria construída nova sede do Instituto Lula, em São Paulo, segundo o MPF. O valor, até novembro de 2012, foi de R$ 12.422.000, afirmam os procuradores.
Conforme a força-tarefa da Lava Jato, o valor consta em anotações de Marcelo Odebrecht, planilhas apreendidas durante as investigações e dados obtidos a partir de quebra de sigilo.
A denúncia afirma também que o ex-presidente recebeu, como vantagem indevida, a cobertura vizinha à residência onde vive em São Bernardo do Campo, interior de São Paulo. De acordo com o MPF, foram usados R$ 504 mil para a compra do imóvel.
Este segundo apartamento foi adquirido no nome de Glaucos da Costamarques, que teria atuado como testa de ferro de Luiz Inácio Lula da Silva, em transação que também foi concebida por Roberto Teixeira, em nova operação de lavagem de dinheiro, conforme a denúncia.
Tanto Glaucos da Costamarques quanto Roberto Teixeira também são réus no processo.
Os procuradores afirmam que, na tentativa de dissimular a real propriedade do apartamento, Marisa Letícia chegou a assinar contrato fictício de locação com Glaucos da Costamarques.

Fernando Filho lança centro de pesquisa em Petrolina



O ministro de Minas e Energia Fernando Coelho Filho lançou, hoje, o projeto do Centro de Referência em Energia Solar de Petrolina (Cresp), que será o mais importante polo de conhecimento científico e tecnológico desta matriz energética no semiárido brasileiro. O ato foi realizado no auditório do Sest/Senat da cidade sertaneja e contou com as presenças do presidente da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) Sinval Gama, do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), do prefeito Miguel Coelho e do deputado federal João Fernando Coutinho (PSB). Além do Cresp serão instaladas placas fotovoltaicas na região para pesquisa e captação de energia solar. O investimento total, que está sendo realizado pela Chesf, é de R$ 210 milhões.

“Temos no semiárido brasileiro um enorme potencial para a exploração de energia solar e eólica e é fundamental que possamos desenvolver esta capacidade, para gerar riqueza e oportunidades para o Nordeste e uma energia mais limpa e segura para o Brasil”, afirmou o ministro. O projeto vinha sendo debatido pela estatal desde 2012 e para Fernando Coelho Filho o grande diferencial da iniciativa está na formação profissional. “Nos próximos anos Petrolina se tornará destino internacional para pesquisas de mestrado e doutorado, isso é muito importante porque qualifica nossas universidades”, destacou.
A primeira etapa do projeto é a construção de uma planta fotovoltaica para geração de energia elétrica com 3MW, sendo uma de 2,5MW, denominada de Planta Básica, e outra de 0,5MW, chamada de Tecnológica, onde serão realizadas pesquisas. Os estudos da Chesf demonstram que Petrolina é uma das cidades com maior potencial para aproveitamento da energia solar no País.  “Estamos iniciando projeto para construir uma usina fotovoltaica centralizada de alto rendimento”, afirmou o presidente da Chesf.
A segunda planta terá tecnologia heliotérmica de calha parabólica e a terceira, será com tecnologia heliotérmica de torre central. Além disto, será concluída a planta Fotovoltaica Flutuante, no Lago de Sobradinho, que teve a construção iniciada em 2016. “Com o desenvolvimento das pesquisas em energia limpa, iremos ver uma nova etapa surgir na vida do povo nordestino. Estamos celebrando aqui o que a Chesf tem de melhor, que é a inteligência”, comentou o senador Fernando Bezerra.

SOBRADINHO: VEREADOR CLEIVYNHO, UM PARLAMENTAR ATUANTE

O vereador  Cleivynho  do  grupo  governista  tem  se  destacado  pelas  suas  ações  em  favor  da  sociedade  sobradinhense. O  parlamentar tem  votado  em  projetos  importantes  em benefício do  município. Cleivynho estar  sempre  em  conecção  com o  povo.  Em parceria  com  o  prefeito  Luiz  Vicente  vem realizando  um  trabalho.  Disse  o vereador:  o  povo  participa  do meu  mandato,  e  eu  como  representante  da  população  estou fazendo  a  minha  parte, argumentou o  parlamentar.

Voto distrital misto: Eunicio e Maia querem aprovação


Voto distrital misto
Para Eunício, reforma política é anseio da sociedade e deve ser agilizada

Do Blog Diário do Poder

Após reunião com o presidente da República em exercício, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), afirmou que o Congresso deve aprovar até setembro deste ano o voto distrital misto para as eleições de 2020. Eunício afirmou que a reforma política deve ser "agilizada". "Isso aqui é um anseio da sociedade e vai atender também à questão política", disse.
No sistema distrital misto, o eleitor vota duas vezes: uma para candidatos no distrito e outra para a lista dos partidos. Uma metade das vagas vai para os candidatos eleitos por maioria simples. A outra é preenchida conforme o quociente eleitoral pelos candidatos da lista.
egundo Eunício, para garantir a aprovação do novo sistema ainda este ano, seria necessário fazer uma transição para a eleição de 2018 com o chamado "distritão", onde inicialmente não há quociente eleitoral e os mais votados são eleitos, sem considerar os partidos e sem a necessidade de formar coligações.
"Nós temos até setembro para definirmos essa questão da reforma política e do financiamento de campanha. Sem resolvermos essa questão da reforma, como vão acontecer as eleições, não temos como resolver a questão do financiamento", declarou Eunício.
Segundo ele, Maia foi ao Senado nesta terça para tratar desse assunto. Os presidentes da Câmara e do Senado acordaram que vão dar sequência às propostas já aprovadas, como a que trata das coligações partidárias, cláusula de barreira e voto distrital - todas já foram aprovadas pelos senadores e aguardam decisão dos 
Para Eunício, reforma política é anseio da sociedade e deve ser agilizada

Pesquisa: Lula é o mais nocivo da Lava Jato


DF: 37% afirmam que Lula é o mais nocivo para o Brasil

Do Blog Dário do Poder
Levantamento do Instituto Paraná Pesquisa no DF avaliou o impacto da Lava Jato nos enrolados na operação: 87,1% dos entrevistados avisaram que não votarão em candidato “que tem o nome envolvido em denúncias da operação”. Entre os enrolados, entrevistados classificam Lula como o “mais nocivo para o Brasil”, com 37%. Aécio é o segundo (14,5%), seguido por Eduardo Cunha (12,7%) e Sérgio Cabral (4,6%). A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
A pesquisa aponta entre os empresários mais “nocivos” Marcelo Odebrecht (4,3%), Joesley Batista (4,1%) e Eike Batista (2,4%).
José Dirceu e Antonio Palocci, ex-ministros de Lula, são “os mais nocivos” dos enrolados para 2,4% e 1,3% dos entrevistados.
A pesquisa de opinião foi realizada em todo o Distrito Federal com 1.516 eleitores a partir dos 16 anos entre os dias 14 e 18 de junho.
O Paraná Pesquisa verificou que hoje 83,2% desaprovam o governo Temer. Há dez meses, em agosto, a desaprovação era de 50,3%.

Reforma : Renan lidera derrota do governo




Folha de S. Paulo - Mônica Bergamo

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) foi um dos líderes da derrota do governo nesta terça (20) no Senado. Além de criticar abertamente a reforma trabalhista, ele convenceu parlamentares a votarem contra a proposta na CAS (Comissão de Assuntos Sociais). 
O governo esperava que o senador Hélio José (PMDB-DF), por exemplo, se ausentasse da votação para não ter nem que se alinhar à proposta nem votar contra Temer. Acabou convencido por Renan a comparecer e ajudar a derrotar a reforma. 
Numa votação apertada, Hélio José acabou sendo fundamental na derrota do governo, que perdeu por 10 votos a nove. 
"A situação é de vaca não reconhecer bezerro no curral pequeno", dizia logo depois da votação o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), relator da reforma trabalhista, ao comentar o fato de Calheiros, que é líder do PMDB, partido de Michel Temer, ser um dos articuladores da derrota do presidente. "Não tem cabimento um negócio desses." 
Ferraço defende a saída do PSDB do governo mas o apoio às reformas, "fundamentais para o país". 
Outra ausência notada na votação da CAS: a do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO). Em tese, ele é a favor da reforma trabalhista.

Renan e oposição contam votos para o plenário


Derrota da Reforma trabalhista
Após derrotar reforma trabalhista em comissão, Renan e oposição contam votos para o plenário

Folha de S. Paulo - Por Painel

Malvado favorito Depois de derrotar o governo na CAS (Comissão de Assuntos Sociais), senadores da oposição se reuniram na liderança do PMDB com Renan Calheiros (PMDB-AL) para contar quantos votos o grupo tem para barrar a reforma trabalhista no plenário do Senado.

Balão vai subindo Apesar do discurso de que as novas regras devem ser aprovadas ainda neste mês, Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado, se programa para levar a proposta ao plenário da Casa só em julho. Trabalha, a princípio, com duas datas: 5 ou dia 12.
Sem escalas Sérgio Petecão (PSD-AC), que faltou à sessão na CAS e abriu espaço para um colega contrário à reforma votar, disse que tinha compromissos em seu Estado e que só conseguiu chegar em Brasília às 19h. “No Acre, há um voo, que sai às 12h30. Lá você não voa quando quer. Voa quando pode.”

Relatoria é de Fachin, mas o acordo pode mudar


Relatoria da JBS
Fachin fica com a relatoria da JBS, mas corre risco de ver STF mudar acordo homologado por ele

Folha de s. Paulo - Por Painel

Em dois tempos Edson Fachin será mantido relator da delação da JBS no Supremo, mas corre sério risco de ver a corte abrir caminho, nesta quarta (21), para modificar os termos do acordo que ele homologou com a empresa. A forte divisão entre os ministros será expressa na segunda etapa do julgamento, quando eles discutirão a possibilidade de o plenário rever as condições ofertadas aos colaboradores. O desfecho do caso é visto pelo governo e pela Lava Jato como um divisor de águas para a operação.

Cortina de fumaça Defensores da manutenção do acordo homologado por Fachin dizem que erra quem acha que é só a negociação da JBS que está em jogo. Uma revisão neste caso, dizem, colocaria em xeque novas tratativas, minando a segurança jurídica em torno de instrumento vital para a Lava Jato.

Cordão sanitário Os que defendem que o STF pode rever as condições ofertadas aos delatores, por sua vez, dizem que a medida impede que o Ministério Público Federal tenha poder absoluto sobre as negociações.

Sinais de fogo Ao relativizar eventual revisão de delações já homologadas, o ministro Luiz Fux alarmou o gabinete de Fachin. O relator da Lava Jato achava que Fux votaria tanto para mantê-lo na relatoria como para validar o acordo com a empresa.

Memória Aliados de Fachin lembram que a homologação monocrática de delações não é novidade na Lava Jato. Cármen Lúcia, presidente do STF, assinou os acordos da Odebrecht durante o recesso deste ano sem nem sequer ser a relatora do caso.

Uma derrota sem impacto


  Uma derrota sem impacto
A derrota que o Governo sofreu, ontem, por 10 votos a 9, no projeto da reforma trabalhista no âmbito da Comissão de Assuntos Sociais do Senado, não tem importância alguma. Entre as comissões, a que é terminativa é a CCJ – Comissão de Constituição e Justiça, onde será aprovado com tranquilidade pela ampla maioria governista. O projeto segue normalmente para a CCJ. O placar surpreendeu a base e a própria oposição, que comemorou muito.
Senadores governistas trabalhavam com a expectativa de que o texto pudesse ser aprovado pelo placar de 11 a 8 ou com vantagem de 12 a 8, conforme o quórum da votação. O Governo descarta a hipótese de acelerar o processo, mas, caso necessário, um acordo de líderes pode encurtar o calendário e levar o assunto diretamente ao plenário. O projeto irá à CCJ, hoje, onde será apresentado o parecer do relator do tema nessa Comissão, Romero Jucá (PMDB-RR), e deverá ser concedida vista coletiva.
O líder do Governo no Senado tem forte atuação sobre o tema e acompanha todas as sessões que avaliam e debatem a reforma trabalhista na Casa. Com o objetivo de tentar anular qualquer estratégia da oposição para atrasar a tramitação, Jucá tem agido imediatamente após cada movimento dos opositores. O líder do governo diz que o calendário combinado com a oposição será seguido à risca com votação da CCJ na manhã de hoje. Após a votação, o texto pode ir ao plenário para a última etapa antes da sanção presidencial.
O relatório que será votado amanhã pede aprovação integral do projeto vindo da Câmara dos Deputados com a sugestão de alguns vetos. Essa foi à mesma recomendação dada pelo tucano Ferraço na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), onde o texto foi aprovado. Entre as alterações sugeridas, Ferraço pede veto à regra que prevê o contrato intermitente e sugere edição de uma medida provisória com salvaguardas ao trabalhador e regulamentação de setores que poderão usar esse tipo de contrato.
O senador solicita também rejeição à nova regra para o trabalho insalubre para gestantes e lactantes e afirma ser contra a revogação dos 15 minutos de intervalo para mulheres antes da hora extra. Para evitar precarização das condições de trabalho, o relatório pede ainda veto e futura regulamentação sobre a redução do horário de almoço para 30 minutos.
FIM DA CONTRIBUIÇÃO – Um dos pontos importantes da reforma trabalhista é o fim da contribuição sindical obrigatória. O objetivo, segundo o relator Ricardo Ferraço (PSDB-ES), não é acabar com os sindicatos, mas apenas com a contribuição obrigatória. "Se tem uma coisa que banalizou no País foi a criação de sindicatos e partidos. Assim não dá", diz ele. Segundo Ferraço, o fim da obrigatoriedade da contribuição abre uma "extraordinária oportunidade" para os bons sindicatos fidelizarem os associados. Caso os sindicatos negociem acordos coletivos, entretanto, os benefícios valerão para todos os funcionários, inclusive os que não contribuem.
Oposição comemora– O senador Humberto Costa articulou a derrubada do projeto da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais e comemorou como a maior derrota do Governo. “Trata-se da maior derrota de Temer e seus aliados no Congresso desde que aplicaram o golpe contra a presidenta Dilma, em maio do ano passado. Mostramos a esse governo corrupto, nefasto e ilegítimo que a oposição e o povo têm força e conseguem impedir que o País retroceda décadas em direitos trabalhistas. Agora, vamos trabalhar para derrotar esse projeto, que atinge todos os trabalhadores brasileiros, no plenário do Senado e enterrá-lo de vez, juntamente com esse governo moribundo”, afirmou.
Água em Belo Jardim – Os moradores da cidade de Belo Jardim, no Agreste, voltaram a receber água nas torneiras, ontem, após o período de mais de um ano em colapso. A retomada do abastecimento pelas tubulações só foi possível depois que a Barragem do Bitury, um dos mananciais que atende a cidade, foi beneficiada com as chuvas registradas, nas últimas semanas na região, a mais castigada pela estiagem prolongada O reservatório registra agora 5% da sua capacidade de armazenamento, ou seja, 800 mil metros cúbicos de água, de um total de 17 milhões de metros cúbicos. A retomada da operação do Sistema Bitury foi monitorada pelo presidente da Compesa, Roberto Tavares.
Plano Plurianual- A Prefeitura do Jaboatão deu início às discussões sobre o planejamento estratégico para os próximos quatro anos. O Plano Plurianual 2018-2021 definirá as prioridades e o legado que será deixado pela atual gestão. Durante o Seminário Planejando Jaboatão, ontem, o prefeito Anderson Ferreira (PP) reuniu o secretariado e estabeleceu os principais eixos da sua administração. Para isso, foram definidos quatro programas que receberão atenção especial: Juntos Pela Educação, Juntos Pela Saúde, Juntos Pela Ordem Publica e Juntos Pelo Social. “Os principais resultados do nosso trabalho serão vistos nos quatro programas que formam a base da nossa administração. Temos que fazer um planejamento a ser executado e que represente o nosso compromisso com a mudança”, disse Ferreira.
Ação itinerante nas secretarias- Desde ontem, o prefeito do Cabo, Lula Cabral (PSB), passou a visitar as secretarias municipais e despachar com os secretários para agilizar os serviços oferecidos à população. A primeira pasta foi a de Desenvolvimento Econômico e Turismo. Ali, Cabral discutiu ações prioritárias para as respectivas áreas que serão colocadas em prática a partir do segundo semestre. "Iremos passar em todas as secretarias funcionais para avaliar o que está sendo feito e buscar acelerar todos os serviços", afirmou o socialista, que na gestão passada já havia usado esse modelo com muito sucesso, tanto que deixou o Governo com aprovação acima de 80% e ainda elegeu o sucessor.
CURTAS
POLISHOP– Na planície desde que perdeu a eleição com seus candidatos em Jaboatão dos Guararapes e no Cabo de Santo Agostinho, o ex-prefeito Elias Gomes (PSDB) anda antenado com o mercado. Sem ainda conseguir espaços na política, mesmo seu partido tendo quatro ministérios no Governo Federal, o tucano resolveu investir em franquias do Polishop, no estilo Herbalife, prática que tem atraído muita gente. E, para isso, pediu a ajuda dos amigos.
FESTA JUNINA– O Ministério da Educação autorizou a abertura de 50 novos cursos superiores de graduação. A portaria com a lista dos cursos foi publicada, ontem, no Diário Oficial da União. As novas vagas são em cursos como engenharia, educação física, letras, nutrição, administração e pedagogia. Também há cursos tecnológicos como design de interiores, logística, gestão de segurança e redes de computadores. O número de vagas varia conforme o curso.
Perguntar não ofende: Se Aécio escapar da prisão, Lula também escapa?