quinta-feira, 23 de novembro de 2017

CORRETORA DE SEGUROS


Nova fase da Lava Jato prende ex-chefe da Casa Civil do governo Sérgio Cabral


Nova fase da Lava Jato prende ex-chefe da Casa Civil do governo Sérgio Cabral
Foto: Reprodução / TV Globo
Uma nova fase da Operação Lava Jato deflagrada na manhã desta quinta-feira (23) prendeu o ex-chefe da Casa Civil do Rio de Janeiro, Régis Fichtner, e o empresário Georges Sadala. O desdobramento das investigações da Operação Calicute, iniciada em novembro do ano passado, cumpre ainda outros três mandados de prisão. A operação foi batizada de  C'est fini, que em francês significa "é o fim", em referência ao fim da Farra dos Guardanapos, como ficou conhecido o jantar em que ex-secretários e empresários tiveram com o ex-governador Sérgio Cabral em um restaurante de Paris. Fichtner é suspeito de receber propina no valor de R$ 1,6 milhão. A Polícia Federal investiga as empresas que tinham interesse em negociar com o governo do Rio de Janeiro e procuravam o escritório de advocacia de Fichtner para obter o pagamento de precatórios.

Operação da PF na Bahia e em Minas Gerais apura fraudes em licitações na educação


Operação da PF na Bahia e em Minas Gerais apura fraudes em licitações na educação
Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil
Uma operação da Polícia Federal deflagrada na manhã desta quinta-feira (23) em cidades da Bahia e de Minas Gerais apura fraudes em licitações na área de educação. Ao todo, são cumpridos 13 mandados de prisão preventiva, 4 de prisão temporária e 41 de busca e apreensão. Investigações apontam que empresários, políticos e servidores fraudaram contratos entre 2010 e 2016 em diversos municípios. O valor total das licitações era de R$ 140 milhões de reais, dos quais 45 milhões teriam sido desviados. O montante era usado principalmente para financiar campanhas políticas.

Cléber Araújo, de 38 anos, acusado de assassinar a ex-companheira Layse dos Santos Silva, de 20 anos, em junho deste ano, no Bairro Itaberaba, em Juazeiro (BA), foi condenado, nesta quarta-feira (22), a 23 anos e 6 meses de reclusão por homicídio qualificado

Cléber Araújo, de 38 anos, acusado de assassinar a ex-companheira Layse dos Santos Silva, de 20 anos, em  junho, no Bairro Itaberaba, em Juazeiro (BA), foi condenado nesta quarta-feira (22) a 23 anos e 6 meses de reclusão por homicídio qualificado. Além disso, ele também recebeu a sentença de 1 ano e 8 meses pela tentativa de homicídio contra o mototaxista Anderson Silva, que transportava Layse no dia do crime. Ele foi atingido pelos disparos efetuados por Cléber.
Conduzido pelo juiz Roberto Paranhos, o júri popular (formado por cinco homens e duas mulheres) ocorreu na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), porque o Fórum da cidade está em reforma. Cléber Araújo foi preso na Chapa Diamantina, no mês de julho, e  estava recluso no Conjunto Penal de Juazeiro (CPJ). Segundo a Polícia Civil (PC), ele confessou o crime. Com Cléber a polícia apreendeu a arma utilizada para tirar a vida da jovem. Ele voltará ao CPJ, onde ficará à disposição da Justiça. (foto/arquivo divulgação)

PAULO BOMFIM DECLARA QUE NÃO VAI PAGAR DÉCIMO TERCEIRO A PREFEITO, VICE-PREFEITA E SECRETÁRIOS






Ao comentar nesta quarta-feira (22) no Programa Geraldo José o corte de 20% no próprio salário, da vice-prefeita e de todos os cargos comissionados nos meses de novembro e dezembro o Prefeito Paulo Bomfim assumiu que também não vai pagar décimo terceiro a nenhum agente político que integra hoje a gestão municipal. “Estamos num momento de extrema dificuldade e não seria correto com os nossos servidores. Estamos cortando na própria carne para que a população e nem os nossos servidores sofram as consequências dessa crise”, declarou o prefeito.

“Pode ter certeza em 2017 não vamos pagar décimo terceiro de prefeito, vice-prefeita, secretários e de nenhum agente político da prefeitura. Estou tentando acertar as contas e não vou cometer uma injustiça dessa com a minha consciência” prometeu.

Paulo Bomfim explicou que outras medidas também serão adotadas e envolvem, no mesmo período, o corte de gastos com o custeio da prefeitura, a exemplo redução no aluguel de veículos, proibição do pagamento de horas extras e diminuição de despesas com diversos contratos de fornecedores.

O prefeito ainda teceu críticas ao governo Michel Temer a quem chamou de “golpista” e disse não temer a possibilidade de ter os recursos retidos por força dessas críticas. “Nós vivemos numa democracia e espero que eles pensem como eu que foi eleito por 46 mil juazeirenses, mas governa para todos”. (Fonte: Geraldo  José)

Juiz afirma que Garotinho e Rosinha fazem parte de organização criminosa


Juiz afirma que Garotinho e Rosinha fazem parte de organização criminosa
Foto: Reprodução/ EBC
O juiz eleitoral Glaucenir Silva de Oliveira, responsável pela determinação da prisão preventiva do ex-governador do Rio, Anthony Garotinho, da esposa dele, a também ex-governadora Rosinha Garotinho, e do presidente nacional do PR Antônio Carlos Rodrigues, nesta quarta-feira (22), afirmou que os três fariam parte de uma organização criminosa, conhecida no meio político como Orcrim.  Além dos três políticos, outras cinco pessoas tiveram a prisão preventiva decretada pelo magistrado, por envolvimento em operações de caixa 2, algumas delas com o grupo da JBS. De acordo com o juiz Glaucenir Oliveira, havia uma estrutura bem determinada, com divisão de tarefas, envolvendo empresários, políticos e secretários de governo do município de Campos durante o período em que Rosinha foi prefeita da cidade, entre 2009 e 2016.

Time escalado: Chapa de Rui terá Leão, Coronel e Wagner; Lídice ameaça sair sozinha



Time escalado: Chapa de Rui terá Leão, Coronel e Wagner; Lídice ameaça sair sozinha

Foto: Mateus Pereira/ GOVBA
De um lado, PSD, PSB, PP, PR, PT, PDT e PCdoB disputam a possibilidade de indicar um nome para a chapa majoritária da candidatura à reeleição do governador Rui Costa (PT). Do outro, quando questionado publicamente sobre as tratativas com vistas a 2018, o petista desconversa. Sempre responde que este é o momento de trabalhar e que só conversará sobre o tema no próximo ano. Entretanto, nos bastidores, as movimentações apontam que Rui já bateu o martelo e definiu quem deve marchar ao lado dele no pleito estadual. De acordo com informações obtidas pelo Bahia Notícias, a composição de partidos que participarão da chapa será mesmo aquela que vinha sendo especulada com intensidade, tanto no mundo político, quanto pela imprensa: PT, PP e PSD. No “alto escalão” da chapa, a reedição da parceria que venceu em 2014: Rui e João Leão (PP) sairão como governador e vice, respectivamente. Já no Senado, uma vaga é do ex-governador Jaques Wagner (PT), que abriu mão em 2014 para abrir espaço para a candidatura de Otto Alencar (PSD). A outra será mesmo ocupada pelo presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Angelo Coronel (PSD). “O jogo já está jogado”, disse ao Bahia Notícias um nome que acompanha de perto as articulações para 2018. Procurado pela reportagem, no entanto, Coronel negou que haja alguma definição sobre o assunto. “Essa é uma questão que fica para o partido definir a posição que devemos jogar. Estou na concentração, aquecido. Se o partido resolver me colocar para jogar, estou pronto”, declarou. Esse desenho da majoritária, como previsto em uma situação na qual há muitos postulantes para pouco espaço, já tem provocado resistências dentro da base governista. Ainda segundo fontes ouvidas pela reportagem, a senadora Lídice da Mata (PSB), que tem sido mais incisiva nas declarações públicas sobre seu desejo de disputar a reeleição ao Senado ao lado de Rui, demonstra inconformismo com a possibilidade de ser preterida. A pessoas mais próximas, ela tem declarado que pode se candidatar sozinha para mais um mandato. “Ela sai candidata ao Senado de qualquer jeito”, afirmou uma outra fonte que participa das conversas. O possível voo solo da socialista, no entanto, não é tratado publicamente e, apesar das negociações avançadas sobre o próximo ano, nenhum dos interlocutores se predispõe a tratar do tema. Mesmo com o cenário inicialmente delineado, eventuais mudanças pontuais podem acontecer a partir das articulações que envolvem outros partidos da base aliada.

PT, PDT e PSOL entram com representação pedindo cassação da TV Globo

PT, PDT e PSOL entram com representação pedindo cassação da TV Globo
Foto: Reprodução/ Globo
O PT, o PDT e o PSOL estão acusando o Grupo Globo de ferir a lei de Defesa de Concorrência no caso Fifa através de uma representação ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). De acordo com a Folha de S. Paulo, os partidos acionaram a Procuradoria-Geral da República (PGR) para a investigação de eventuais crimes e pediram ao Ministério da Ciência e Tecnologia que casse a concessão da TV, por supostamente infringir a Lei Geral das Telecomunicações. A empresa foi acusada de pagar propina de US$ 15 milhões, junto com a mexicana Televisa, pelos direitos de transmissão das Copas do Mundo de 2026 e 2030.

Fachin transfere ao plenário do STF ação sobre afastamento de deputados do Rio de Janeiro


Fachin transfere ao plenário do STF ação sobre afastamento de deputados do Rio de Janeiro
Foto: Nelson Jr./SCO/STF/FotosPúblicas
O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu nesta quarta-feira (22) a inclusão na pauta do plenário da Corte do julgamento da ação ajuizada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para suspender a resolução aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) que revogou as prisões dos deputados Jorge Picciani - presidente da Casa -, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB. Agora caberá à presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, definir quando a ação será julgada pelos 11 ministros da Corte. Um ministro ouvido reservadamente pelo Estadão/Broadcast disse que os últimos acontecimentos no Rio de Janeiro foram recebidos pela Corte com "desagrado e surpresa". Em entrevista à "BBC Brasil", o ministro Luiz Fux classificou a decisão da Alerj como "lamentável", "promíscua" e "vulgar" e disse que o Supremo "certamente" iria rever a situação. O ministro Marco Aurélio Mello, por sua vez, afirmou ver com "perplexidade" a decisão da assembleia. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, questiona a fundamentação da resolução da Alerj, que menciona o julgamento do STF no mês passado sobre a aplicação de medidas cautelares a parlamentares - diversas da prisão - para embasar o texto de revogação da detenção dos deputados estaduais do Rio. Para Raquel, ao contrário do que presumiu a Alerj, a decisão do STF naquele caso é "inaplicável" à decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) que determinou a prisão de Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi. Naquele julgamento, os ministros do STF decidiram que a imposição de medidas cautelares - diversas da prisão - que dificultem o exercício regular do mandato de parlamentares deverá ser submetida ao aval da Casa Legislativa. "A decisão do Supremo Tribunal Federal não pode ser aplicada por analogia aos deputados estaduais, nem a Suprema Corte autorizou a extensão de seus efeitos aos Estados e Municípios. O eminente ministro Alexandre de Moraes, no seu voto, destacou com muita clareza os limites do alcance daquela decisão, empregando a expressão 'parlamentares federais'", escreveu Raquel. Para a procuradora-geral da República, o Rio é "terra sem lei".

Meirelles diz que idade mínima é de 62 anos para mulher e 65 para homem



Meirelles diz que idade mínima é de 62 anos para mulher e 65 para homem

Foto: José Cruz/ Agência Brasil
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que em "princípio" a idade mínima de aposentadoria na nova versão da reforma da Previdência ficará em 62 homens para mulheres e 65 para homens. Ao comentar a pressão dos aliados políticos para reduzir a idade para 60 anos (homens) e 58 (mulheres), o ministro afirmou que é natural "demandas" dos políticos nessa hora de negociação. Os pedidos, no entanto, não podem comprometer o cumprimento da meta fiscal, afirmou o ministro. "O nosso compromisso é manter e cumprir a meta. Qualquer coisa tem que estar dentro da meta. Temos uma meta e vamos cumprir", afirmou. Segundo ele, a reforma ministerial e posse do deputado Alexandre Baldy (sem partido-GO) no Ministério das Cidades vai ajudar a aprovar a reforma da Previdência. "Nos deixa mais confiante. Eu acho que sim", afirmou. O ministro da Fazenda disse ainda que o texto da nova versão está fechado. "Eu estou sentido que a demanda maior é em relação ao tempo de contribuição. Alguma coisa que facilite isso", afirmou. O governo já cedeu em reduzir de 25 anos para 15 o tempo de contribuição em relação à proposta original. Meirelles confirmou que os governadores pediram aumento dos recursos do FEX, fundo de exportação que compensa os Estados pelas perdas com a desoneração do ICMS nas vendas externas prevista na Lei Kandir. "Estamos examinando esse assunto. Estamos olhando. Vamos começar a olhar esse assunto partir de hoje", disse. O ministro afirmou, no entanto, que não é viável compensar os Estados em R$ 39 bilhões por ano com as perdas do passado pela Lei Kandir. A proposta está sendo discutida no Congresso. Ele disse que a contrapartida principal que os governadores pediram ao governo federal para apoiar a reforma da Previdência é que a União ajude os Estados a enfrentar o problema da previdência nos governos estaduais. Segundo ele, os governadores se comprometerem a trabalhar nas bancadas estaduais no Congresso para aprovar a reforma. "O maior problema dos governadores hoje são as previdências estaduais", disse.

'Com as reformas, conseguiremos diminuir as desigualdades', diz novo ministro em posse



'Com as reformas, conseguiremos diminuir as desigualdades', diz novo ministro em posse

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
O recém-empossado ministro das Cidades, Alexandre Baldy (sem partido-GO), declarou nesta quarta-feira (22) que a agenda de reformas do governo de Michel Temer ajudará a promover a redução da desigualdade social no país. "Nós, verdadeiramente, retiramos o Brasil do vermelho. Com a retomada do emprego e mais renda, com preços em queda, as famílias já vivem melhor", disse Baldy. O pronunciamento foi feito em cerimônia de posse no Palácio do Planalto, com as presenças do próprio presidente Temer, do ex-ministro das Cidades Bruno Araújo (PSDB-PE) e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O novo ministro das Cidades, inclusive, fez afagos a Maia, a quem chamou de querido amigo. "Vossa excelência tem conduzido com destreza as medidas necessárias para reconstrução deste país", afirmou Baldy. O governador de Goiás, Marconi Perillo, também recebeu elogios. O novo ministro disse que nasceu em um Estado agrícola, o que permitiu que ele testemunhasse a transformação nas cidades e no campo. "A casa própria é verdadeiramente o sonho das famílias brasileiras. Este é o desafio que me levou a aceitar o convite", disse Baldy, que agradeceu a confiança de Temer em apontá-lo como novo ministro das Cidades. "Tenho certeza que, com toda essa vontade do governo em reconstruir o Brasil, temos condições e enfatizo que meu compromisso de melhorar as cidades, torná-las mais justas e sustentáveis." Baldy, inclusive, lembrou a vitalidade com que o presidente Temer tem enfrentado momentos difíceis em seu governo e explicou que isso aumenta sua motivação. No fim do discurso, a redução das desigualdades voltou a ser citada por Baldy como objetivo a ser perseguido. "O Ministério das Cidades é o ministério de novos tempos; de um novo setor público, mais eficiente. É nas cidades que se constrói verdadeiramente o Brasil."

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Morre aos 67 anos David Cassidy, ator da série 'Família Dó Ré Mi' e cantor


Morre aos 67 anos David Cassidy, ator da série 'Família Dó Ré Mi' e cantor
Foto: Reprodução / Facebook
O cantor e ator David Cassidy, famoso por ter interpretado o jovem Keith Douglas Partridge na série "Família Dó Ré Mi", morreu aos 67 anos, na noite desta terça-feira (21), nos Estados Unidos. De acordo com informações da Folha de S. Paulo, Cassidy havia passado o último fim de semana em um hospital da Flórida para tratar um quadro de insuficiência nos rins e no fígado. Em nota, a assessora do artista informou que ele morreu "ao lado da família, com alegria no coração e livre da dor que o acompanhou por muito tempo". Ídolo da juventude nos anos 1970 e interprete de canções como "Cherish" e "I Think I Love You", no começo deste ano David Cassidy admitiu que sofria de demência, após esquecer letras de músicas e quase cair durante uma apresentação. Também nos últimos anos, ele passou por graves problemas financeiros, chegando a ter que leiloar a própria casa, em 2015, após pedir falência.