Chico Ferreira: Pontos polêmicos do confronto entre Lula e Moro

Pesquisar este blog

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Pontos polêmicos do confronto entre Lula e Moro



     

Alguns pontos de maior confronto no depoimento de Lula a Moro ainda repercutem. Um deles é um momento em que Moro pergunta se Lula sabia ou desconfiava de um esquema de corrupção na Petrobras e de que diretores recebiam propina. O petista respondeu que não sabia e emendou que Moro, o Ministério Público, a Polícia Federal e a imprensa também não sabiam e que ele só tomou ciência da corrupção quando a Lava Jato captou conversas entre o doleiro Alberto Yousseff e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.
Moro revidou, afirmando que ele não tinha nada a ver com a Petrobras, mas que o presidente da República tinha. Lula rebateu, dizendo que foi Moro quem mandou soltar e grampear Yousseff e que, portanto, os fatos foram descobertos a partir daí. O juiz fez um adendo dizendo que também mandara prender o doleiro.
Houve chumbo trocado quando Moro repreendeu Lula pelo petista ter dito que poderia mandar prender quem teria mentido a respeito dele. Lula admitiu que foi uma frase infeliz, dizendo ter sido uma força de expressão no palanque. Moro falou que Lula talvez não devesse fazer aquele tipo de declaração. Lula respondeu que todos ali precisavam tomar cuidado com suas declarações e se queixou de o juiz ter divulgado conversas pessoais dele com familiares e a mulher, Mariza Letícia, que morreu em fevereiro. Num outro momento, Lula falou que tinha profunda mágoa por ações de Moro em relação à divulgação dessas conversas.
Moro teve um bom desempenho quando questionou Lula sobre o encontro com o ex-diretor da Petrobras Renato Duque. O juiz quis saber por que Lula decidiu encontrá-lo. Foi um momento em que Moro conseguiu que Lula falasse que havia sido por intermédio de João Vaccari, ex-tesoureiro do PT preso em Curitiba, obtendo palavras do ex-presidente que confirmavam em parte um depoimento recente de Duque.
Foi um ponto alto de Moro. Durante todo o depoimento, ficou claro o destaque de Moro, que se sobressai em relação aos membros do Ministério Público, cujos representantes falaram muito pouco na comparação com o juiz. Moro e o Ministério Público perguntaram se Lula se sentia responsável pelo esquema de corrupção, direta ou indiretamente.
Lula disse que não tinha responsabilidade nem se sentia responsável, afirmando que havia um processo de indicação política de partidos que compõem o governo que o levou a apontar tais diretores para o Conselho de Administração aprovar ou não o ingresso no comando executivo da Petrobras. O petista foge do objetivo de Moro de arrancar uma confissão de responsabilidade, ainda que administrativa, apesar da insistência do juiz e, depois, de procuradores da República.
O APARATO– O prédio da Justiça Federal em Curitiba, onde Lula depôs quarta-feira passada, foi isolado pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar do Paraná. Centenas de policiais, incluindo a Tropa de Choque, bloquearam um perímetro de 150 m ao redor do local. Além dos homens no chão, o aparato teve sobrevoos de quatro helicópteros e atiradores da Polícia Federal em cima do prédio. A Polícia Rodoviária Federal abordou 92 ônibus de outros Estados e 76 do Interior. Só um foi retido. Já ato pró-lula contou com a presença de artistas, como a atriz Renta Sorrah, que está com peça na cidade.
Advogados em estado de euforia 

Os advogados do ex-presidente Lula comemoraram o desempenho dele no cara a cara com Sérgio Moro. “Ele foi enfático e direto. Disse que o estão acusando sem provas e que o imóvel não lhe pertence”, afirmou o advogado José Batochio. Para ele, a maioria das perguntas que Moro fez fugiu ao âmbito da acusação, que era o triplex.