Chico Ferreira: Moro vai condenar Lula

Pesquisar este blog

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Moro vai condenar Lula



   
Falando num um evento em Londres, sábado passado, organizado por brasileiros que estudam em universidades britânicas, o juiz federal Sérgio Moro revelou sinais muito claros de que sua sentença se dará pela condenação do ex-presidente Lula no primeiro processo em que foi ouvido, sobre ocultação de bens - o triplex do Guarujá. Ele disse, textualmente, que juízes não podem julgar pensando na consequência política que a decisão irá gerar.
Em apresentação no Brazil Forum UK, o magistrado foi questionado sobre a exposição de juízes na mídia e respondeu: "Não creio que isso gera um grande problema, desde que não invadam política partidária". Em seguida, falou sobre casos envolvendo corrupção de agentes políticos. "Um julgamento, seja absolvitório ou condenatório, sempre tem reflexos políticos, mas esses reflexos políticos ocorrem fora da corte de justiça", afirmou.
A postura de Moro é a de um juiz que não teme pelas consequências políticas do seu ato e, mais do que isso, que cadeia nasceu e existe para pobres e ricos. "Quando se condena, por exemplo, um ex-político de envergadura, alguém que teve um papel às vezes até respeitável dentro da conjuntura política do País, isso vai gerar reflexos dentro da vida partidária. [...] O juiz não pode julgar pensando nisso, o juiz tem que cumprir seu dever e julgar segundo as leis e as provas", afirmou.
Mais claro do que isso, impossível. Só os fanáticos lulistas têm alguma esperança de que o ex-presidente, chefe da quadrilha da Lava-Jato, vai escapar do veredicto justo do juiz Moro. "Se o juiz for julgar pensando na consequência política, ele não está fazendo seu papel de juiz", enfatizou Moro. "Muitas vezes tem essa confusão de que julgamentos são políticos, quando na verdade não são", completou.
PRISÕES NA LEI– Moro participou de um debate com o título de "Reequilibrando os poderes: o papel do Judiciário na democracia brasileira”. O juiz falou por 15 minutos. Quando foi chamado pela organização para discursar, ouviu aplausos e algumas vaias. Ao final da sua fala, os aplausos prevaleceram. Ele disse reconhecer que pode haver divergência sobre o entendimento a respeito das prisões preventivas. No entanto, segundo Moro, todas as aplicadas na Lava Jato foram baseadas na lei. "Esse tema da prisão preventiva tem sido polêmico. O que tenho falado nas minhas decisões é que não defendo nada diferente da aplicação ortodoxa da lei penal", afirmou.