Chico Ferreira: Odebrecht entrega extratos de propina paga ao PMDB, negociada em jantar com Temer

Pesquisar este blog

domingo, 23 de abril de 2017

Odebrecht entrega extratos de propina paga ao PMDB, negociada em jantar com Temer


Odebrecht entrega extratos de propina paga ao PMDB, negociada em jantar com Temer
Foto: Lula Marques/ Agência PT
A Odebrecht entregou à força-tarefa da Operação Lava Jato extratos que comprovariam o pagamento de propina vinculada por delatores a uma reunião com o presidente Michel Temer em 2010. O montante supera os US$ 40 milhões e, segundo ex-executivos, o repasse foi acertado em encontro com o hoje presidente, em seu escritório político paulistano. De acordo com a Folha de S. Paulo, os delatores apontaram que a propina refere-se a um contrato internacional da Petrobras, o PAC-SMS, que envolvia certificados de segurança, saúde e meio ambiente em nove países onde a estatal atua. O valor inicial era de US$ 825 milhões. Os documentos apresentados pela empreiteira mostram que os repasses foram feitos entre julho de 2010 e dezembro de 2011. Os extratos atingem US$ 54 milhões, mas a soma de planilhas anexadas chega a US$ 65 milhões. Do montante milionário, pequena parte foi paga em espécie no Brasil, em hotéis em São Paulo, nos casos de petistas citados, e em um escritório no centro do Rio, para os demais. Em delação, Márcio Faria, ex-presidente da Odebrecht Engenharia, contou que o PMDB negociou propina de 5% do contrato, correspondente a US$ 40 milhões. O delator disse também que não se falou em valores com Temer no encontro, "mas ficou claro que se tratava de propina" relacionada ao contrato, e não contribuição de campanha. A reunião, segundo ele, teve a presença de outras pessoas, como o ex-deputado Eduardo Cunha, e ocorreu quando Temer era presidente do PMDB e candidato a vice de Dilma Rousseff (PT). Rogério Araújo, responsável pelo lobby da Odebrecht na Petrobras, disse que Temer deu a "bênção" aos termos do acordo, previamente tratados com Cunha e com o lobista João Augusto Henriques. Temer confirma o encontro, mas nega a versão sobre propina.