Chico Ferreira: Canalhas fazem chegar intimação a Lula no dia do velório de Dona Marisa

Pesquisar este blog

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Canalhas fazem chegar intimação a Lula no dia do velório de Dona Marisa


sergio-moro
O Objetivo da Lava Jato é humilhar Lula. Só pode ser, ou como explicar que entregam uma intimação bem no dia do Velório de Dona Marisa? A Lava Jato nunca foi contra a corrupção. Tanto é, que os maiores corruptos estão instalados no governo Temer, que assumiu depois de um Golpe, cujo argumento era a …corrupção no Governo Dilma. Moro, a PF e o MP estão a serviço de interesses explícitos e implícitos. O Golpe continua em andamento e a Lava Jato é o instrumento de destruição do sentimento de Nação e de pátria do povo brasileiro. dos 24 Ministros de Temer,  18 tem processos abertos pela Comissão de Ética da própria presidência da República e a maioria deles foi citada na mesma Lava Jato, mas com estes nada acontece. Ao mesmo tempo em que continuam as ações de pressão e humilhação a Lula. Vai a matéria do Jonal GGN sobre a vergonhosa atitude de entregar uma intimação a Lula no dia do Velório da Dona Marisa:

Lula é intimado a depor sobre delação de Delcídio na Lava Jato

 O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi intimado a depor em Brasília, no dia 17 de fevereiro, sobre a investigação de suposta obstrução da Justiça, por tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.
O processo é parte da delação do ex-senador Delcídio do Amaral, que sequer foi confirmada pelo próprio executivo, Cerveró. Lula é réu na investigação e irá conceder informações aos investigadores da Operação lava Jato.
A delação de Delcídio foi vazada em março do último ano. Além de acusar o ex-presidente, o ex-parlamentar alvo da Lava Jato delatou que Dilma Rousseff também teria tentado interferir nas investigações, com a ajuda do então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, quando nomeou Marcelo Navarro para o Superior Tribunal de Justiça (STJ).
Os investigadores não conseguiram comprovar o frágil depoimento do ex-senador, que menciona apenas “Lula me disse” ou “Lula me pediu”. Em outros momentos, Delcídio se contrariou ao admitir em entrevistas que “tentou alertar várias vezes” a presidente afastada Dilma e o ex-presidente Lula das consequências de o Planalto não brecar as investigações da PF e do MPF.
Na delação à Procuradoria-Geral da República, o parlamentar  baseia toda a denúncia contra o ex-presidente Lula, acusando-o de se reunir com o chefe de gabinete Diogo Ferreira, José Carlos Bumlai e o filho Maurício Bumlai para comprar o silêncio de Cerveró por R$ 250 mil.
Posteriormente, colocou em cheque as informações ao dizer que tanto Dilma, quanto Lula negaram ouvir os “alertas” de Delcídio, decidindo “deixar [as investigações] assim”, na “estratégia” de que a presidente, ao final, “sairia fortalecida do processo”.
Segundo informações de Monica Bergamo, Lula deve agora depor, no dia 17, mas pedirá para ser ouvido por videoconferência, desde São Paulo. (Luiz Mullher)