Chico Ferreira: Apóstolo usa má fase como chamariz de sua igreja

Pesquisar este blog


.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Apóstolo usa má fase como chamariz de sua igreja



Apóstolo Valdemiro Santiago dá entrevista à Folha na sede de sua igreja, em São Paulo
Folha de S.Paulo – Anna Virgínia Baloussier
Não há facada, barco à deriva, naufrágio, ataque de igreja concorrente, operação da Polícia Federal, processo por aluguel atrasado ou acusação de porte ilegal de armas que tire o bom humor do apóstolo Valdemiro Santiago, 53.
Todos episódios que viraram propaganda, boa ou má, para um dos líderes evangélicos mais influentes do Brasil, ao lado de nomes como Silas Malafaia e Edir Macedo.
Hoje sua igreja, a Mundial do Poder de Deus, tem estimados 4.500 templos e três deputados: Missionário José Olímpio (DEM-SP), Francisco Floriano (DEM-RJ) e Franklin Lima (PP-MG).
No dia 9/1, o apóstolo deu, literalmente, seu sangue por ela. Quando a vida lhe dá um limão, você faz uma limonada. Quando um ajudante-geral desfere três golpes de facão em Valdemiro, o religioso vai à TV pedir dinheiro.
Com alegados problemas mentais, Jonatan Higino, 20, atingiu pescoço e costas do apóstolo com uma lâmina de 35 centímetros, num culto televisionado. Dois dias e 25 pontos depois, Valdemiro usou o caso para incentivar fiéis a doarem R$ 8 milhões.
Ele já conhece o enredo: “Quando a imprensa dá a notícia [do atentado], coloca lá: ‘Valdemiro nem bem se recuperou e foi pedir oferta'”.
Entre seculares (como evangélicos chamam aqueles de outra ou nenhuma religião), a estratégia foi absorvida como um entre tantos exemplos de pastores inescrupulosos que exploram sua base “coitadinha”.
Para evangélicos, esse tipo de visão escancara preconceito e condescendência de uma elite intelectual que os despe de autonomia para decidir o que é melhor para eles. Segundo Valdemiro, o dinheiro solicitado banca um mês de custos da Rede Mundial, seu canal na TV fechada.
Clubes de futebol têm “patrocínio do sócio-torcedor” (que pagam mensalidade ao clube em troca de benefícios), e isso ninguém estranha, compara o apóstolo são-paulino.
“O Palmeiras arrecadou milhões assim, e todo mundo aplaudiu. Eu pago só neste canal aí R$ 8 milhões. O preconceito leva o repórter a separar uma coisa da outra. Ontem mesmo estive com jovens da cracolândia. Isso [obras de caridade] tem um custo.”
À DERIVA
Passados nove dias da agressão, Valdemiro voltou ao noticiário: ficou por horas perdido no litoral paulista, após pane em sua lancha. O Corpo de Bombeiros divulgou foto da equipe de resgate abraçada com o pastor sorridente.
O apóstolo conversou com a Folha duas semanas após o ataque a faca, em sua sala na sede da Mundial, um prédio com 800 funcionários no Brás (região central de São Paulo) e piscina interna para batizar recém-convertidos à igreja.
Valdemiro criou a Mundial, uma costela da Igreja Universal do Reino de Deus, em 1998, após se desentender com o bispo Macedo, “com quem eu jogava bola, recebia em casa”.
A Mundial seguiu a mesma linha neopentecostal, com destaque para curas miraculosas. Há cultos como a Terça-feira do Milagre Urgente, e seu líder compartilha na internet testemunhos como “CÂNCER REMOVIDO PELA MÃO DE JESUS”.
“Já vi mortos ressuscitarem. Fazia algum tempo que não respiravam”, afirma. “Só que não sou eu, mas Deus quem faz o milagre.”
Em sermão gravado, um pastor da igreja diz que a camisa que Valdemiro usou no dia do atentado tem poderes divinos. “Tá aqui, o sangue dele tá aqui na camisa. Vou passar no manto… Vocês vão tocar no manto… E vão receber milagres extraordinários.”