Chico Ferreira: Geddel chora ao comentar polêmica e diz que assunto está encerrado

Pesquisar este blog

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Geddel chora ao comentar polêmica e diz que assunto está encerrado




Geddel Vieira Lima é investigado pela Comissão de Ética da Presidência por suposto conflito de interesses


Geddel é investigado pela Comissão de Ética da Presidência por suposto conflito de interesses

Investigado pela Comissão de Ética da Presidência da República, o ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) chorou nesta terça-feira (22) ao comentar denúncia feita pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de que ele o teria pressionado a produzir um parecer técnico para liberar a construção de um prédio no qual adquiriu um apartamento.
Para o ministro, "o assunto está encerrado".
Geddel falava do pai, o ex-deputado Afrísio Vieira Lima, morto no início deste ano, quando se emocionou durante reunião no Palácio do Planalto com líderes da base governista na Câmara. Ele lembrou que seu jeito "despachado" foi aprendido com o pai.
Os líderes assinaram um documento de desagravo ao ministro e saíram em sua defesa na reunião. Segundo o líder do governo, André Moura (PSC-SE), os líderes da base aliada irão em marcha ao Palácio do Planalto para entregar a carta a Geddel.
Após o encontro, Geddel disse que não quer mais comentar o assunto com a imprensa porque, agora, a discussão está na Comissão de Ética da Presidência da República.
"O assunto está encerrado. E como está na Comissão de Ética, não vou mais comentar com a imprensa. Peço que me respeitem", disse ele.
Segundo a Comissão de Ética, Geddel foi notificado ainda na segunda-feira (21) sobre a decisão e terá um prazo de dez dias para apresentar a sua defesa.
O esforço do órgão federal é de conseguir concluir a análise do caso no dia 14 de dezembro, última reunião marcada no ano.
Caso não seja possível, há conselheiros que defendem a convocação de uma reunião extraordinária para tratar do tema.
DESAGRAVO
O apoio a Geddel não se restringiu ao documento formal. Ao deixar a reunião, líderes manifestaram solidariedade ao ministro da Secretaria de Governo, responsável pela interlocução do Planalto com o Congresso.
"Isso é um absurdo o que aconteceu. Precisa dar piti? Por que a palavra do ex-ministro tem mais força que a de Geddel? É uma conversa natural existente entre políticos. Em qualquer parte do país político é demandado. O assunto se encerra quando você diz 'não'", disse o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), que disputa a presidência da Câmara dos Deputados.
O líder do DEM, Pauderney Avelino (AM), reconheceu que Geddel levou ao governo federal uma questão de interesse pessoal e que não foi uma atitude adequada.
Ele, contudo, classificou o episódio como uma questão pequena, "paroquial", que não justificaria a demissão do ministro.
"Nós somos todos falíveis. Então, é hora de passar por cima dessa falha e cuidar do que temos de cuidar", afirmou, justificando que o ministro é essencial para o governo Michel Temer.
"Eu não acho que foi uma atitude adequada, mas temos problemas enormes para resolver no país", disse Pauderney.
Em entrevista à Folha, Geddel reconheceu que tratou com o Marcelo Calero sobre um projeto imobiliáirmou que, no ano passado, fez uma promessa de compra e venda de uma unidade no condomínio e afirma que, justamente por ter conhecimento do impasse imobiliário, tinha legitimidade para levar a questão ao então ministro da Cultura.
O presidente não pretende, pelo menos por enquanto, demitir Geddel, a não ser que as denúncias contra ele se agravem.
CHORÃO
Esta não é a primeira vez que Geddel se emociona em uma crise. Em 1994, quando era deputado federal, caiu várias vezes no choro durante depoimento à CPI do Orçamento.
Ele já havia chorado na mesma CPI. A primeira vez aconteceu quando a comissão recebeu cópia de uma fita gravada com uma conversa entre o deputado João Alves (sem partido-BA) e José Carlos Alves dos Santos. Na conversa, os dois acertaram a modificação de um parecer sobre o Orçamento redigido pelo então deputado Afrísio Vieira Lima, pai de Geddel.
O deputado foi convocado pela CPI porque seu nome aparece nos documentos encontrados na casa do diretor da construtora Norberto Odebrecht, Ailton Reis, ao lado de um percentual (4%).
Geddel acabou inocentado na CPI que investigou o caso.